artigo publicado originalmente no blog TikiTaka.ro.
Tradução: João Vítor Roberge / O Craiovano

Mal se passaram quatro anos e o futebol romeno mudou rapidamente. Na Liga I, tínhamos 18 times e o campeão era decidido após turno e returno simples, não com um sistema de play-off como atualmente. Mas o que mais dói são os desaparecimentos das equipes… E não de qualquer tipo de equipe, mas as de tradição.

2013
A Liga I há quatro anos: muitos destes times tradicionais foram extintos

Steaua – Na época ainda se chamava Steaua e não FCSB, como hoje. Tinha muitos torcedores em seus jogos e os jogadores portavam o emblema tradicional e amado.

Astra – Uma dos poucos times que conseguiram se manter regularmente.

Petrolul – Tinha um time que lutava pelo título. Não à toa estava no terceiro lugar na tabela. Dos titulares havia ninguém menos que Gicu Grozav, Geraldo Alves, Hoban, Filipe Teixeira e Younes Hamza. Depois de um tempo o clube entrou em falência, caiu, foi extinto e os torcedores o ressuscitaram na Liga IV do distrito de Prahova, onde leva, num único jogo, mais espectadores que todo o grupo de repescagem da Liga I.

Dinamo – Mudaram todo o time que tinham na época, inclusive Danciulescu [um dos grandes ídolos da história recente do clube], que estava em campo, e não na comissão técnica.

Pandurii – O time atravessava uma boa fase naquele momento, culminando com a participação na Liga Europa, inclusive na fase de grupos. Atualmente, entrou em falência e o mais provável é que seja rebaixado. Espera-se que não vá se extinguir, até porque terá um novo estádio.

Vaslui – Era um dos bons times do campeonato. O desejo de Porumboiu de conquistar o campeonato não se cumpriu. Além disso, o time entrou em falência e foi extinto. Os torcedores o refundaram na Liga IV, mas o sucesso em Vaslui está, de qualquer forma, em lembranças.

Rapid – É provavelmente a história mais triste do futebol romeno. Um dos mais antigos e amados times da Romênia, sempre lutava e se levantava, mas a última crise foi fatal. O Rapid subiu para a Liga I, mas não pôde disputar a competição [porque não tinha condições financeiras]. Após entrar em insolvência financeira, veio a falência e a extinção. Atualmente, o clube não existe mais, e alguns times fundados na Liga V lutam entre si para definir quem é a legítima continuação do Rapid.

CFR Cluj – Luta para voltar a ser o que foi: campeão da Romênia. Isto depois que o time entrou em falência e tenta sair para poder ter o direito de disputar uma Liga Europa. O mais provável é que jogue, mas na temporada 2018-19.

Brașov – Rebaixado há algum tempo, luta pela subida há duas temporadas, ainda que a situação financeira seja desastrosa. Com os novos regulamentos que a LPF [Liga Profissional de Futebol] quer implementar, o time poderia terminar na zona de acesso, mas continuar na Liga II.

Gaz Metan – Após um período na segunda divisão, os “Gasistas” retornaram à primeira divisão e fizeram uma bela participação, chegando muito perto do play-off. Mas infelizmente para eles, a perda dos dois atacantes, Llullaku e Axente, foi decisiva para a perda da vaga. Enquanto isso, o Gaz Metan também está em insolvência financeira, o que significa que mesmo que chegasse à zona de classificação para as copas europeias, não poderia disputá-las.

Universitatea Cluj – Seguiu o curso dos times romenos que já é normal: insolvência – falência – refundação em divisão distrital. O último grande feito foi a final da Copa da Romênia [2014-15], infelizmente perdida para o Steaua por 3×0.

Oțelul– Seguiu os passos do Unirea Urziceni: o time canha o campeonato, joga a Champions League, o dinheiro some, insolvência, falência, extinção. Diferente do caso de Urziceni, em Galati os torcedores refundaram o time na Liga IV. A mesma coisa provavelmente teria acontecido no caso do Unirea, só que lá eles não têm torcida.

Concordia Chiajna – Na mesma situação de quatro anos atrás. Luta para se salvar do rebaixamento.

Ceahlăul – Um outro destruído pela insolvência. O time caiu para a Liga II, depois para a Liga III e não conseguiu jogar nem lá, sendo então extinto. Depois de um tempo, a prefeitura de Piatra Neamt fundou um outro clube de mesmo nome, que carrega a história do antigo.

Viitorul – Se há quatro anos o time de Hagi lutava contra o rebaixamento, hoje luta pelo título.

CSMS Iași – Não mudaram muito. O time chegou a disputar duas partidas das preliminares da Liga Europa e mudou o nome para CSM Politehnica Iasi

Turnu Severin – O time foi extinto, e em Severin quem joga é o Pandurii [enquanto o novo estádio de Târgu Jiu não fica pronto].

Gloria Bistrița – 21 anos após o primeiro acesso, o Gloria se extinguiu completamente. Nos motivos do desaparecimento esteve o mesmo problema que em todos os outros casos: a situação financeira precária.

 

Nota d’O Craiovano: Destes 18 clubes, nove seguem na primeira divisão. Steaua, Dinamo, Astra, Pandurii, CFR Cluj, Gaz Metan, Chiajna, Viitorul e CSM Poli Iasi. CSM Poli e Gaz Metan já foram rebaixados nestes quatro anos. CS U Craiova, Voluntari, Botosani, ACS Poli e Târgu Mures são os clubes ausentes nesta temporada 2012-13.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s