Adrian Mutu encerra sua carreira com recordes na seleção, mas poucos títulos

Mutu foi revelado no tradicionalíssimo Arges e não demorou para ir para o Dinamo
Mutu foi revelado no tradicionalíssimo Arges e não demorou para ir para o Dinamo

Um dos maiores jogadores romenos dos anos 2000, Adrian Mutu, se aposentou no seu aniversário de 36 anos, no último dia 8. O anúncio oficial não foi feito, mas o apresentador Vali Moraru, do canal pago Digisport, tentava marcar uma entrevista ao vivo por telefone com Briliantul (“o brilhante”, apelido dado pelos romenos), que respondeu “não quero mais falar de futebol, porque não sou mais jogador de futebol”. Mutu estava sem clube desde sua saída do Petrolul Ploiesti em setembro, quando era dado como certo no Pune City, clube indiano da Fiorentina, mas o negócio fracassou.

O ex-atacante tentou uma transferência para a Fiorentina nas últimas semanas, mas os dirigentes do clube italiano decidiram por não contratá-lo. As últimas especulações foram sobre jogar no Dinamo Bucareste, que já repatriou o ex-jogador do Sporting Marius Niculae, e é o clube onde Mutu fez sucesso suficiente para ser contratado pela Internazionale em 2000. O clube nunca confirmou a intenção de contratá-lo. E também houve especulações sobre uma transferência ao novo clube do técnico Cosmin Contra, Guanghzou R&F.

Adrian Mutu encerrou sua carreira após ter jogado por 11 clubes: Arges Pitesti, Dinamo Bucareste, Internazionale, Hellas Verona, Parma, Chelsea, Juventus, Fiorentina, Cesena, Ajaccio e Petrolul Ploiesti. Mas apesar de ter sido muito instável por todos seus problemas extracampo e ter “criado raízes” apenas na Fiorentina, Briliantul conquistou recordes dignos de craque: É o maior artilheiro da história da seleção romena, com 35 gols em 77 jogos, ao lado de ninguém menos que Gheorghe Hagi, que tem muito mais partidas disputadas (124).

Mutu no Dinamo: 22 gols em 33 jogos
Mutu no Dinamo: 22 gols em 33 jogos

E, apesar dos recordes e dos grandes clubes pelos quais passou, Mutu conquistou apenas dois campeonatos italianos pela Juventus, em 2004-05 e 2005-06, os dois revogados pelo escândalo Calciopoli de manipulação de resultados. No Dinamo, contribuiu para os títulos da Liga e da Copa de 1999-00, mas saiu para a Internazionale antes da conquista de ambos.

Mesmo com a irregularidade na Itália, Mutu chegou ao ascendente Chelsea, mas não aproveitou a chance de deslanchar como craque mundial
Mesmo com a irregularidade na Itália, Mutu chegou ao ascendente Chelsea, mas não aproveitou a chance de deslanchar como craque mundial

Sem conseguir emplacar na Inter, Mutu foi para o Hellas Verona, e de lá emprestado para o Parma, onde foi sensação num ataque com ninguém menos que Adriano, que ainda não era Imperador. O jogador saiu da Itália em agosto de 2003, numa transferência de 22,5 milhões de Euros para o Chelsea recém-comprado por Roman Abramovich. O começo foi promissor, com quatro gols em três jogos. Mas o ritmo diminuiu e entre desentendimentos com o técnico José Mourinho e o teste antidoping positivo para cocaína em setembro de 2004. Em 29 de outubro daquele ano, o Chelsea rescindiu seu contrato e pede uma compensação financeira, num caso que se desenvolve até hoje. Mutu teve de pagar uma multa à federação inglesa e foi suspenso por sete meses.

Ainda em janeiro de 2005, o atacante assinou com a Juventus, onde alternou bons e maus momentos no time campeão italiano envolvido no Calciopoli e que ficou sem o título. Com o rebaixamento da Juventus, Mutu foi para a Fiorentina, formando dupla de ataque com Luca Toni. Foi o clube em que o jogador mais se destacou, marcando 54 gols em 112 jogos até 2011. Mais uma vez pego no antidoping, sendo suspenso por mais seis meses.

A Fiorentina marcou o grande momento da carreira de Briliantul
A Fiorentina marcou o grande momento da carreira de Briliantul

Já no final da carreira, Mutu assinou com o pequeno Cesena, da Itália, para a disputa da Série A 2011-12, onde o jogador foi bastante irregular. Com o rebaixamento para a segunda divisão, o contrato foi rescindido bilateralmente, e o atacante foi para o Ajaccio, da França. Em 2012-13, o jogador encerrou a temporada com 11 gols em 26 jogos. Sem ser muito aproveitado na temporada seguinte, com apenas nove jogos disputados no segundo semestre de 2013, Mutu deixou o clube em 14 de janeiro de 2014, o dia de sua apresentação no Petrolul Ploiesti.

Mutu chegou ao Petrolul como a contratação mais badalada no futebol romeno
Mutu chegou ao Petrolul como a contratação mais badalada no futebol romeno

Com 10 mil pessoas no estádio Ilie Oana, Mutu era a principal contratação da temporada romena, já aos 35 anos. Briliantul se juntava a um bom elenco, do time que era então o campeão da Copa da Romênia. Os Lupii Galbeni chegaram ao terceiro lugar da Liga I, e conquistaram uma vaga à Liga Europa, competição que Mutu não disputava desde os tempos de Fiorentina. Com boas atuações e sem tantos gols, Mutu disputou 30 jogos em 8 meses de Petrolul, marcando seis gols, inclusive na Liga Europa 2014-15.

Em setembro, surgiu a proposta do Chennai Titans, time do brasileiro Elano na Índia, e também a do FC Pune City, do qual a Fiorentina é co-proprietária. Mutu rescindiu a custo zero o contrato com o Petrolul em troca de não cobrar dívidas do clube, e foi dado como certo no Pune City. No entanto, o jogador nunca chegou a ir à Índia, num imbróglio sobre seu visto para poder se transferir. A janela fechou, e Mutu ficou sem clube. Entre especulações para ir para o futebol chinês, para o Dinamo, e uma tentativa de jogar na Fiorentina para encerrar sua carreira no clube em que mais se identificou, aos 36 anos Mutu pendura a chuteira pela porta dos fundos, sem muitos alardes, sem grandes homenagens.

Na seleção, é o 11º que mais foi capitão, é o 12º com mais partidas disputadas e é o maior artilheiro junto com Hagi, disputou a Eurocopa 2008. Poderia ser ainda maior, não fossem os conflitos com os técnicos Razvan Lucescu e Victor Piturca na Nationala. A exemplo de diversos outros jogadores, Mutu se perdeu no extracampo, com doping, festas e indisciplina. Faltou um gol para ultrapassar Hagi na artilharia da seleção. Faltou cabeça para se manter no bom nível em que esteve na Fiorentina e no Chelsea.

Mutu foi o jogador romeno mais famoso dos anos 2000 ao lado de Cristian Chivu (que conquistou Champions League e Mundial de Clubes e foi o grande capitão da seleção de sua geração), mas poderia ter sido muito mais, principalmente quando ainda estava no Chelsea, um clube que depois de alguns anos viria a ser um dos maiores do mundo (e que, poucos anos antes, havia tido uma ótima experiência com o lateral-direito Dan Petrescu).

Numa Romênia carente de craques internacionais e com consistência, carente de uma seleção e de clubes que cheguem nas grandes competições assustando os grandes da Europa ocidental, Mutu deixa saudades, e a impressão em todos que o conheceram de que não atingiu o que sua capacidade lhe permitia.

Abaixo, gols de Mutu pela Fiorentina:

Anúncios

Um comentário em “Adrian Mutu encerra sua carreira com recordes na seleção, mas poucos títulos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s